15.10.09

Amalia Bautista (Espanha)

   



foto Paulo V.

    
     


A Partida

Duas mulheres jogavam as cartas.
Eram as duas formosas e perversas.
As duas faziam batota. A partida
prolongava-se mais do que o costume,
a julgar pelos gestos de impaciência
que nenhuma ocultava. Vida e Morte
se chamavam. E tinham apostado
o coração de um homem, como sempre.
    
      

8 comentários:

José da Silva Martins disse...

Amalia Bautista nasceu em Madrid em 1962. Jornalista de formação, trabalha como redactora no gabinete de Imprensa do Conselho Superior de Invetigações Científicas.

Maresias disse...

É assim na roda da vida.

Umas ganham.

Outras perdem.

Pelo caminho, traça-se um fio ponteado por cada jogada.

O maior desejo é que não nos calhe o joker. Que seja O homem.

Re.beijo descobridor de mãos poetas que fazem pulsar corações.

OLHA disse...

Querido JSM

depois de muitas arrelias e tropelias cá estamos de vivalma.

Este poema de Amália Bautista fez-me lembrar

Mário Quintana no poema/resposta que se segue:

"PROJETO DE PREFÁCIO

Sábias agudezas... refinamentos...
- não!
Nada disso encontrarás aqui.
Um poema não é para te distraíres
como com essas imagens mutantes de caleidoscópios.
Um poema não é quando te deténs para apreciar um detalhe
Um poema não é também quando páras no fim,
porque um verdadeiro poema continua sempre...
Um poema que não te ajude a viver e não saiba preparar-te para a morte
não tem sentido: é um pobre chocalho de palavras."

Mario Quintana


A fotografia é um espanto.


Um forte abraço,

P

Isabel disse...

gostei.

da "aposta". partida sem regresso. autofágica. coisas do mundo. no jogo onde tudo se perde ganhando a inconsistência da vida em si mesma já "batoteira".


bom dia com aplauso para a fto de P.V.
___________!

PiresF disse...

Meu caro, este poema é simplesmente fantástico.
Já conhecia e até já o publiquei em tempos lá no meu blogue.

Sobre a foto do Paulo nada a dizer, perfeita.

Forte abraço.

Graça Pires disse...

Obrigada por me dar a conhecer tantos autores que eu desconhecia.
Um abraço.

maré disse...

como quando o olhar é a aposta superir onde tantas vezes se morre
e outras tantas se re.encontra o vazio.


__

um beijo, grato!

maria josé quintela disse...

um jogo sem fim. perdido à partida.


e um belo poema.




um abraço.